tubos de ensaioA química orgânica, nada mais é do que o estudo dos compostos do carbono, elemento essencial para a vida. Jovem no ramo das ciências químicas e provinda de pesquisas acerca dos elementos que compõem a matéria viva, suas metamorfoses e diversas transformações intrigavam os estudiosos.

Acreditava-se que só era possível sintetizar substâncias químicas por meio de organismos vivos, mas logo descobriu-se que era absolutamente viável realizar estas operações em laboratório. Vale lembrar que apesar de todo composto orgânico terem em sua composição o elemento carbono, nem todos são considerados compostos orgânicos ou de carbono.

No geral, a química orgânica é o ramo da ciência que estuda o comportamento dos compostos do elemento carbono, como o petróleo, bioquímica, medicamentos, plásticos dentre diversos outros. A grande chave desta complexa vertente química esta na ligação.

Na verdade, os átomos de carbono não se ligam apenas a outro átomos de carbono (neste caso, formando cadeias muitas vezes enormes). Eles também combinam elementos metálicos e não metálicos, dividindo-se em outras vertentes.

Síntese Orgânica – Reproduzir e imitar a natureza, criando produtos naturais úteis inclusive para fins acadêmicos.

Análise Orgânica – Detectar produtos reais já existentes, alguns deles presentes em quantidades mínimas na natureza.

Mecanismos de reações – Relaciona a estrutura com a reação dos compostos. Campo vasto que dá vasão a descoberta de novas sínteses, degradações e reações.

História da Química Orgânica

O início da química, legitimamente denominada como ciência, deu-se ainda na Idade Média, quando seu nome ainda era “Alquimia” e quando as substâncias da natureza se dividiam em apenas três grupos distintos: vegetal, animal e mineral.

Os alquimistas tinham como maior objetivo, transformar tudo que era matéria metálica em ouro - anseio que também ganhou nome, a busca pela “pedra filosofal”.

Paracelso, médico suíço e alquimista, categorizava “O homem é um composto químico, cujas doenças são decorrentes das alterações desta estrutura, sendo necessários medicamentos para combater enfermidades”.

Este foi o estopim para o uso de remédios no combate às doenças daquele tempo, isto por volta do ano século XVI. Foi apenas no século XVIII que os produtos naturais começaram a ser extraídos da natureza e implantados diretamente na saúde do homem. A fermentação da uva, produtos destilados, etc.

Torben Olof Bergmann dividiu a química em duas partes, ainda no ano de 1777 em:

  • Química Orgânica: Compostos provindos dos seres vivos.
  • Química Inorgânica: Compostos de origem Mineral.

Assim, o conceito de química orgânica foi edificado sob a crença de que apenas por intermédios dos seres vivos era viável extrair substâncias orgânicas. Esta teoria denominava-se “Teoria da Força Vital”, feita por Jons Jacob Berzelius, que pregava que o homem não podia criar a força vital em laboratório, que era inerente à celula viva.

Fredrich Wohler derrubou a teoria de seu mestre após aquecer cianato de amônio, substância encontrada no sangue e na urina, obtendo a ureia, que é um composto orgânico.

Definiu-se a Química Orgânica como a ciência dos compostos químicos em 1858, e hoje sabemos que há um incrível número de compostos orgânicos que aumentam constantemente.